Maria Sal da Terra

Maria – mulher que não sabia

jamais paronde ia. Nem o quando ela sabia.

Maria sabia tão somente que ela ia.

E ela também sabia: um dia chegaria – quando?

Disso ela não sabia. Maria porém sabia que,

por onde quer que fosse, sempre se entregaria.

 

Se entregaria como qualquer pessoa, que, por mais

que se doa, se entregaria àquele mar.

Ah, ao mar ela sabia que iria.

Maria, afinal, era toda a mar. Profundas águas,

tão rudimentarmente salgadas, às quais poucos

conseguiram, de fato, penetrar.

 

Maria é essa loucura – muitas vezes, de ressaca.

Sempre oblíqua. Jamais dissimulada.

Maria também jamais jamais dizia. E pudera,

como poderia?

Não sabia aonde ia!

 

E tem mais uma coisa que Maria sabia.

Ela sabia que, por onde quer que andasse,

jamais se esqueceria de colocar os pés no chão.

Podia bem olhar pro céu. Mas os pés

eram no chão.

 

Porque Maria já aprendera:

 

Quando não mais fores adentrar naquele mar,

a água do corpo, bem aos poucos, secará.

O Sal, ele vai precisar cair no chão. Quando é

sal e não tem água, ele resseca

o coração. Ele arde. Faz arder.

 

E, assim, ia Maria. Sem bem saber

para onde ia. Deixando pitadas do seu

sal pelos caminhos que seguia.

E enterrando os pés na terra, à qual Maria pertencia,

só sabia que amaria.

 

E se é da terra ou se é do

mar, Maria nem se importava.

Porque, no fundo, Maria sempre soube que

somente a ela pertencia.

Ela é somente dela.

 

Maria é de Saudade.

 

(Luciana Cafasso)

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s